Cervejaria Colorado e ESC Conteúdo Editorial promovem evento de diálogos transformadores

Por Obséquio

1º Conversas de Conteúdo acontece dia 14/02, em Ribeirão Preto.

A cada mês, um palestrante convidado irá conduzir uma rica troca de experiências com o público.

Realizado pela agência ESC Conteúdo Editorial, o projeto Conversas de Conteúdo vai contar com o patrocínio da Cervejaria Colorado em 2017 e irá realizar encontros mensais com palestrantes convidados que explorarão temas ligados à transformação pessoal e social e inovação. Os eventos serão sempre no Cervejarium, em Ribeirão Preto, e os participantes receberão um chope Colorado 016 como boas-vindas.

A primeira edição do ano acontece no dia 14/02 e recebe a jornalista Maria Fernanda Ribeiro, que deixou a vida na capital paulista para viver junto aos povos da floresta Amazônica. Atualmente, Maria Fernanda escreve suas experiências no blog Eu Na Floresta, do jornal O Estado de São Paulo. O tema “O que a Floresta Amazônica me ensinou sobre felicidade” vai convidar os presentes a uma conversa franca sobre os…

Ver o post original 206 mais palavras

Trio de Sommelières lança cerveja colaborativa com a Blondine

Por Obséquio

TRIO, a cerveja colaborativa da Cervejaria Blondine em parceria com o ABC da

Cerveja – Amanda Reitenbach, Bia Amorim e Carolina Oda -, terá três lotes

com a mesma receita base e mesmo estilo, mas com lúpulos diferentes no dry-

hopping.

simulacao_ROT_TRIO_02

“Um trio de muitos três – três meninas, três sommelières, três cervejeiras,

três lotes, três lupulagens – formando um triângulo de leveza, aroma e

amargor, uma tríade de sede, frescor e satisfação!”

O grupo se juntou para criar a TRIO – cerveja que será produzida em três lotes

com a mesma receita base e o mesmo estilo, porém com lúpulos diferentes no

dry-hopping (adição de lúpulo no final do processo, com a cerveja já pronta,

conferindo mais intensidade aromática). A primeira produção é com Brewers

Gold e Pacific Gem. A segunda é com Bravo e Sapie. E a terceira é com

Nelson Sauvin e Chelan.

Carol, Bia e Amanda Carol, Bia e Amanda

Ver o post original 587 mais palavras

Harmonizando amigos e cervejas

DSCF0718

As experiências gastronômicas fazem parte de uma nova evolução da humanidade, uma forma de começar a olhar para dentro, mas não só do corpo e sim da alma. Depois de alguns anos sem prestar a atenção ao que comemos, seguindo apenas os extintos, sobrevivemos com algumas deficiências, outras perdas e alguns ganhos. Se somos aquilo que comemos, somos nossa memória gastronômica. Hoje, passado o período da Revolução Industrial antiga, o que queremos é mudar sem precisar estar tão mudado. A indústria se instalou de tal forma que desistimos das coisas básicas, do fazer em casa. Não temos só a praticidade, temos também o comodismo, o controle remoto da vida, sem levantar para trocar de canal. Mas quanto isso nos custa? O que perdemos de não experimentar e renovar? Participar fora de casa de pequenos eventos nos ajuda a enxergar a gastronomia de uma nova maneira. Podemos aperfeiçoar o paladar, podemos voltar as origens e valorizar aquilo que um dia já foi mais natural e orgânico.

Mas eu tô filosofando aqui para que mesmo? Para contar sobre alguns jantares que fizemos em Ribeirão Preto com o projeto Mesa na Cozinha, um projeto que toda cidade deveria abraçar, desenvolver o pequeno e sonhador empresário, consumidor final e os profissionais da sua região. Independente se o tema vai ser cerveja, cachaça, vinho ou sucos de frutas (!).

Mas como faz mesmo um evento de gastronomia com comida e cerveja? Não existem muitos ainda pelo Brasil apesar de ser uma prática mais habitual em outros países como na Europa e EUA. A fórmula em si é bem simples: pense, chame um amigo, pense, comece pequeno e se decepcione, pense, junte mais amigos, faça, sorria, pense, junte mais amigos, faça, aconteça, pense. Bom, a fórmula não acaba nunca, mas acho que já deu para entender né?

No antigo Fofo Restaurante (foto: Francine Tx)

No antigo Fofo Restaurante
(foto: Francine Tx)

Aqui em Ribeirão Preto, quem tocou o projeto dos jantares desde o começo fomos eu (Bia Amorim) e a Sabrina Galli do Casa de Criações Culinárias. Se eu for pensar mais longe, começamos em 2010, com um jantar no antigo (e já fechado) restaurante Fofo aqui em Ribeirão Preto. Na época, eu não trabalhava com cervejas e estava a poucos meses de começar uma carreira que faria minha vida plena e feliz. A Sabrina já cozinha e nos conhecemos dando aulas na faculdade de gastronomia Barão de Mauá.

Nosso primeiro jantar com cervejas foi chique
(foto: Francine Tx)

Chamei o Eduardo Passarelli meu colega de pós graduação, na época o cara entendido de cervejas que tinha um blog super legal de harmonização (hoje é um cara que surfa nessa onda maltada com o Aconchego Carioca e aulas, palestras e viagens pelo mundo falando de cerveja, além de ser pai de uma linda mocinha). O jantar foi requintado, as toalhas brancas, guardanapos de linho, taças de vinho para as cervejas e garçons engravatados. O público eram os apreciadores de vinho, clientes do restaurante que foram convencidos que teriam uma noite agradável, e tiveram.Parecia um evento de vinho, mas o fermentado era outro. A pompa era só parte do ritual que temos quando respeitamos um produto bom.

Em 2010, jovens na cerveja.  (foto: Francine Tx)

Em 2010, jovens na cerveja.
(foto: Francine Tx)

O tempo passou e as águas viraram mosto que fermentou e nos levou até 2013 quando resolvemos organizar pequenos jantares de comida e cerveja já que a vontade de trabalhar e criar era tanta que não havia outro meio de expressar essa vontade a não ser fazer. Foram 6 jantares, muitos amigos, lotação em 100% dos eventos, muita história contada, excelentes cervejas servidas, alguns erros, muitos acertos. Cozinhamos em lugares apertados, servimos e bebemos com quase zero de infra-estrutura. Os curiosos novatos da cerveja se espremiam em cadeiras de plástico ou dentro de uma fábrica. Fazer um projeto e se realizar com ele é algo que nos fortalece para vôos mais longos.

foto: Rogerio Volgarine

foto: Rogerio Volgarine Edição 2013

Ganhamos, em resumo dos primeiros eventos uma bagagem e muito o que contar e salivar. Em 2014 não paramos de pensar nos eventos, mas aquela história, Copa do Mundo, Eleições, a gente ser enrolada, grandes pensamentos, boas oportunidades e mais um cadinho de procrastinação nos fez organizar uma nova proposta para 2015.

No começo de 2014 organizamos um evento de gastronomia bem grande, A Feira com 15 mil pessoas =)

No começo de 2014 organizamos um evento de gastronomia bem grande, A Feira  no RibeirãoShopping com 15 mil pessoas =) este evento tomou bastante do nosso tempo. (foto: Rafael Almeida)

O projeto que estava esperando e finalmente renasceu com nome novo e mais estrutura. Algumas coisas parecem meio ideológicas porque precisam de muito mais do que boa vontade, precisam de tempo. A cerveja artesanal e eu diria, até a própria culinária, ainda está em um ponto de evolução, no meio do caminho. A alimentação fora de casa é algo que começa a fazer sentido, mas precisamos perder aquele ar familiar, amistoso? Precisamos sempre só ter o bar/restaurante/balada como base? Que tal mudarmos os formatos? Foi assim que a gente começou a pensar no projeto.

Para juntar a fome com a vontade de comer, tivemos que correr atrás daqueles que poderiam compor esse projeto. Contamos com a ajuda de muita gente e muitos profissionais do setor e de fora que estavam dispostos a entrar no time! Esse texto é exatamente para agradecer todas essas pessoas ❤ Gostaria de apresentar nosso time para você:

  • O Paulo Gallo foi o rapaz responsável pelas nossas artes, ele criou o padrão e o design para nós divulgarmos o evento! Nosso super obrigada ao Paulo, que também participou como convidado de alguns dos eventos!
Cartaz com o conceito de desing criado pelo Paulo Gallo

Cartaz com o conceito de design criado pelo Paulo Gallo

Rogerio Volgarine Fotografia Ribeirao Preto

Rogerio Volgarine Fotografia Ribeirao Preto

  • A Natália Feitosa, também fotógrafa fez os dois últimos eventos e nos trouxe lindas fotos!
A fotógrafa entre nós

A fotógrafa entre nós

  • A Analidia Ferri que foi a jornalista que registrou todos os momentos que experimentamos em cada um dos jantares e escreveu os textos que estão no blog do Mesa na Cozinha. Vai levar o evento por muito tempo em suas palavras! A Analidia é namorada do Paulo Gallo e eles são do fantástico site de cultura Varal Diverso.
Bia e Analidia Ferri (foto Rogerio Volgarine)

Bia e Analidia Ferri
(foto Rogerio Volgarine)

  • Na parte de decoração, quem deixou nossos eventos mais lindos do que nunca foi a Denise Ribeiro, do Lina Gatolina, uma lojinha de chorar ajoelhada de tão linda, que com o selo Festa Modesta nos ajudou a transformar o lugar, com os recursos que tínhamos, além das coisas lindas que nos emprestou, as flores que comprou, o toque que mudou tudo!
Produção: Festa Modesta (Foto: Rogerio Volgarine)

Produção: Festa Modesta
(Foto: Rogerio Volgarine)

  • As louças, milhares de taças, talheres e pratos a gente pegou na Loca Festa da minha amiga Hemily, que tem uma empresa pequenina e antiga locadora de materiais para festas. No meio do caminho ainda apresentei a minha amiga Thais Navarro, design, que modificou a marca e deixou mais moderna, para atender a demanda mais jovem, como nós com uma cara nova!
Loca Festa com os utensílios necessários

Loca Festa com os utensílios necessários

No setor de alimentação tivemos

  • Vila Beef em dois eventos, o primeiro com os hambúrgueres e o último com churrasco, começamos e finalizamos com chave de ouro. Acreditamos no projeto da boutique de carnes que tem um processo bastante diferenciado de trabalhar a carne, do começo ao fim. Vale a pena conhecer o projeto. O Marcelo ainda deu uma aula sobre carnes e cortes!
Turma do Vila Beef com a Chef Sabrina

Turma do Vila Beef com a Chef Sabrina

  • Emporium Fiusa nos apoio no evento de queijos e embutidos, esta é uma casa que tem a maior carta de uisques da região e um atendimento super bacana, além da excelente localização aqui na cidade. Choramos com a linguiça artesanal deles.
produtos que recebemos pelo Emporium Fiusa (foto: Natalia Feitosa)

produtos que recebemos pelo Emporium Fiusa
(foto: Natalia Feitosa)

  • Toni, o manero foi um dos parceiros que literalmente colocou a mão na massa! Ele concebeu e produziu o jantar de Cozinha Brasileira pensando em um contexto bastante aprofundado sobre o tema e levou muito à serio a escolha dos ingredientes, foi lindo.
Toni: O cara, maneiro.

Toni: O cara, maneiro.

E as Cervejarias que nos ajudaram com suas cervejas

Cervejas, nosso ouro. (foto: Rogerio Volgarine)

Cervejas, nosso ouro.
(foto: Rogerio Volgarine)

Não poderíamos esquecer de agradecer a equipe que trabalhou com a gente em todos os eventos, o backstage, aqueles que nos aguentaram, serviram sorrindo e também bebericaram um pouco ao final dos eventos: os estagiários da faculdade Barão de Mauá no curso de Gastronomia.

Equipe com o pessoal do jantar de Brasileiras. (foto: Rogerio Volgarine)

Equipe com o pessoal do jantar de Brasileiras.
(foto: Rogerio Volgarine)

Falamos bastante, comemos bastante, bebemos e apreciamos muito. Nosso muito obrigada a todos aqueles que também fizeram os jantares acontecer: os consumidores!

Turma dos doces

Turma dos doces

Turma de Brasileiras

Turma de Brasileiras

Turma Tailandês

Turma Tailandês

Turma Queijos e Embutidos

Turma Queijos e Embutidos

Turma do Churrasco

Turma do Churrasco

Turma das Americanas

Turma das Americanas

O local dos eventos foi a Casa de Criações Culinárias da Chef Sabrina Galli. Para saber mais clique aqui.

Para saber sobre cada um dos eventos, os textos completos, todas as harmonizações, cervejas e cardápios estão nos links abaixo! Se tiver alguma dúvida, se precisar de um evento, se quiser dicas, estamos à disposição! Pode escrever para o contato@porobsequio.com.br

1. Americanas

2.Doces

3.Brasileiras

4.Tailandesa

5.Queijos

6.Churrasco

galera do bem <3

galera do bem ❤

Churrasco e cerveja: já passou da hora de você ousar nisso

Por Analídia Ferri

Churrasco. O que dizer de uma tradição tão forte entre os brasileiros? Tudo vira motivo para combinar um churrasco e relaxar com amigos e família. E, claro, só é churrasco se tiver cerveja junto. Mas aí que a gente acaba fazendo tudo errado, tomando enormes quantidades de cervejas, e o sabor mesmo, ninguém liga.

DSC-22

De uma coisa todos sabemos: fica difícil uma cerveja não combinar com churrasco. Mas, com tantas opções diferentes no mercado de artesanais, fazer essa harmonização pode quebrar aquela rotina e pensar em beber menos, mas beber melhor. Foi isso que pudemos aprender com o último jantar da série Mesa na Cozinha.

Para abrir o apetite e refrescar o paladar antes de comer muita carne, recebemos uma salada verde comum, com rúcula, alface americana, tomate grape e manjericão.  Na mesa, também tivemos à disposição pão caseiro, molho barbecue e uma salsa de tomate. As carnes foram feitas em parceria com a Vila Beef, uma casa de Ribeirão Preto que comercializa vários produtos selecionados, de origem controlada e fornecimento exclusivo.

DSC-45

O peixinho, uma carne bastante magra e versátil, foi colocada na grelha sem sal e sem nenhum tempero. O sal marinho foi colocado antes de o prato ser servido e tal processo salienta bastante o sabor da carne. Com ela, foi servida a Hot Lager da Cervejaria Barco, uma extra pilsen clara, com pimenta, porém, com ardência quase imperceptível, mais evidente no retrogosto.

DSC-59

Depois, um miolo de alcatra combinado com a 6 O’Clock, parceria da Invicta com a americana Sixpoint, uma cerveja muito leve, lupulada e refrescante. O lúpulo se destaca e combina muito com o sabor da carne; com certeza essa foi a combinação mais inusitada da noite e pode agradar muito a paladares mais avançados.

DSC-105

Seguindo para cervejas mais ousadas, a Eisenbahn Rauchbier, uma cerveja com maltes defumados, escura e adocicada, excelente opção para inovar no churrasco e combinar sabores. O defumado é muito leve e quase imperceptível se combinado com carnes assadas.

DSC-145

Por fim, foi servida uma Schornstein witbier, acompanhada de uma salada de frutas quentes, passadas na manteiga e servida com cream cheese que leva limão. A cerveja leve e refrescante levantou o frescor das frutas; laranja e coentro apareceram muito na boca.

DSC-219

O churrasco pode mesmo ser diferente e a gente não precisa sair dele traumatizado, dizendo que vai ficar sem comer carne por um mês, assim como podemos evitar aquela ressaca monstra, bebendo com qualidade, com mais sabores e descobrindo as infinitas possibilidades da gastronomia.

casal cativo dos eventos Mesa na Cozinha

casal cativo dos eventos Mesa na Cozinha

sempre comida + bebida com uma breve explicação e auxílio na hora de harmonizar

sempre comida + bebida com uma breve explicação e auxílio na hora de harmonizar

O mestre dos cortes e da churrasqueira, Marcelo Whately do Vila Beef

O mestre dos cortes e da churrasqueira, Marcelo Whately do Vila Beef

Turma animada que participou do nosso último evento

Turma animada que participou do nosso último evento

Nos despedimos alegremente do projeto Mesa na Cozinha =) muito obrigada!

Nos despedimos alegremente do projeto Mesa na Cozinha =) muito obrigada!

fotos: Natalia Feitosa

Saindo da velha rotina de queijos, embutidos e cerveja

Por Analídia Ferri

A combinação mais tradicional do happy hour do brasileiro com certeza é juntar queijos e embutidos para petiscar com uma cervejinha. Conciliar esses sabores com cervejas especiais é muito interessante, uma vez que a variedade de queijos, presuntos e salames é enorme e transforma um simples “belisco” em algo surpreendente. E já que temos essa mesma infinidade de sabores de cervejas, por que não inovar?

produtos que recebemos pelo Emporium Fiusa (foto: Natalia Feitosa)

produtos que recebemos pelo Emporium Fiusa
(foto: Natalia Feitosa)

Iniciamos nossa experimentação com um queijo casablanca, de leite de cabra, levemente adocicado e ácido. No copo, a Ça va Saison, da Cervejaria Barco, bastante equilibrada, com lúpulo, mas o amargor não se sobressai. Os dois juntos resultaram numa harmonização complementar.

Saison da Barco

Saison da Barco

O destaque deste jantar harmonizado do projeto Mesa na Cozinha é a forma com que o prato veio à mesa. Ele foi montado seguindo uma escala de harmonização e todos os elementos vieram juntos em um só prato e a sua montagem seguiu uma lógica no paladar, tudo pra que os convidados pudessem desfrutar de cada gosto e sensação.

DSC-10

Na sequência, um queijo artesanal, produzido pelo sítio Terra Límpida, de Cássia dos Coqueiros, por uma família de italianos. O robínia branca, um queijo aveludado e de textura cremosa, foi combinado com uma Rodenbach Flanders envelhecida em barril. Com um sabor levemente vinificado, azedo e amadeirado, a harmonização com o queijo deixou os sabores e acidez bastante equilibrada e sutil.

DSC-81

Depois, foi a vez da Chimay Grande Resérve, cujo sabor lembrou passas, nozes e um leve adocicado, muito bem combinada com um presunto cru levemente salgado. O adocicado da cerveja e o salgado da carne combinaram muito bem e ficaram equilibrados na boca.

DSC-94

Hora de ousar mais! Seguimos a degustação com um salame mais gorduroso, servido com a Júpiter Pale Ale, cerveja com notas de pêssego e maracujá, e de leve amargor. Neste caso, uma mistura muito interessante, já que o lúpulo briga com a gordura e um ajuda o outro a não se sobressair.

DSC-114

Uma linguiça artesanal, tipo calabresa, curada, foi o último embutido servido com duas cervejas diferentes. Primeiro, a Vixnu, da Colorado.

DSC-124

De forte amargor, fez com que o lúpulo ficasse evidente na língua. Depois, a Black Cab Stout, da Fuller’s, feita com 5 tipos diferentes de malte, com aroma e sabor adocicado de café e chocolate. Completamente diferente da Vixnu, que é mais refrescante, a Black Cab ficou bem mais adocicada e provocou uma sensação bem diferente com a linguiça.

DSC-136

Parece óbvio combinar petisco com cerveja, mas o que mais aprendemos nesse tipo de harmonização é que podemos transformar nossas descobertas em hábito. Ousar mais, variar e buscar gostos diferentes daqueles que já estamos habituados e começar a prestar mais atenção aos sabores em nossas bocas.

DSC-63

A chef descansou um pouco mais dessa vez, teve até tempo de fotografar os pratos e beber uma cerveja

A chef descansou um pouco mais dessa vez, teve até tempo de fotografar os pratos e beber uma cerveja

Decoração Festa Modesta

Decoração Festa Modesta

Participantes desta edição

Participantes desta edição

A cerveja perfeita existe?

Por Obséquio

Publicado originalmente no Papo de Homem com o título: Como descobrir sua cerveja ideal

Parece fácil.

Para os conhecidos dessa nova “moda” de beber cerveja artesanal, a pergunta mais frequente é: “Qual sua cerveja favorita?”.

Para que eu responda tal pergunta preciso retrucar com várias outras até saber a resposta. Ainda assim, pode ser que o seu gosto mude com o tempo e, o que você vai preferir beber também.

Eu estou sempre em busca da minha cerveja perfeita, ao mesmo tempo que estou sempre com ela. A do presente.

Mesmo que eu liste algumas de minhas preferências, é preciso entender como nos relacionamos com nossas escolhas. Temos “gostos” diferentes, cada um de nós é único. Para entender isso, vou explicar de um modo bem sucinto, um assunto tão vasto.

Pelo menos, três itens são muito importantes de serem compreendidos:

Aroma

É o cheiro. Nosso nariz capta os aromas que…

Ver o post original 923 mais palavras